Minhas ideias de herança pro mundo

Autor: Renata Checha

#52semanascomplanner – 5 coisas que eu não coloco no planner (#4)

#52semanascomplanner – 5 coisas que eu não coloco no planner (#4)

Depois de tantos anos me organizando com planners e métodos diferentes de produtividade, acredito que cheguei a um sistema que funciona bem pra mim. Claro que essas coisas são bastante fluidas, e estou sempre testando uma mudança aqui e outra ali. Mas no geral, a […]

Primeiro semestre de 2019 (parte 1)

Primeiro semestre de 2019 (parte 1)

Uma das coisas que estava na minha lista para 2019 era voltar a escrever no blog, e só agora nesse meio de ano estou fazendo isso, começando devagar, e tentando enraizar o hábito. E aqui estou, pra registrar uma retrospectiva desse primeiro semestre. Escolhi 5 […]

#52semanascomplanner – Quantos planners ter? (#3)

#52semanascomplanner – Quantos planners ter? (#3)

Já começo esta postagem dizendo que não tenho resposta para essa pergunta, infelizmente. A quantidade de planners que você deve ou não usar, apenas você vai saber. Mas eu trago neste post alguns pontos de reflexão pra que você decida.

Eu particularmente, uso mais de um planner, e pra mim funciona, na maior parte das vezes. Mas confesso que também dá uma ansiedade. Antes de entrar em alguns pontos específicos, gostaria de listar 3 prós e contras de se ter mais de um planner:

Pros

  • Se você tem muitos aspectos da vida que precisa planejar, um planner só pode ser pouco espaço.
  • Num espaço único, você pode se confundir entre tarefas de muitos contextos diferentes.
  • Cada coisa no seu lugar pode diminuir a sensação de ansiedade.

Contras

  • Muitos planners pode significar muito peso pra carregar.
  • Sua produtividade pode ficar prejudicada se você precisar de uma informação que não está com você no momento.
  • Com muitos planners o microgerenciamento pode ser um problema, e você pode acabar deixando algum aspecto da sua vida meio de lado.

Depois de tantas tentativas e erros (e ainda tentando até hoje!), vi que um planner só pra mim não funciona. Trago pra você 3 pontos que são muito importantes pra você tomar a sua decisão, que também foram parte do meu aprendizado.

Como é a sua rotina?

Ter mais de um planner significa que você terá que revisar todos eles, ou pelo menos a maioria, pelo menos uma vez ao dia. Se você não consegue separar muito tempo pra isso, talvez seja interessante concentrar tudo num espaço só.

Eu costumo dividir meu dia em blocos: a “hora” do trabalho, do estudo, da criatividade, de revisar as finanças, e por aí vai. Dessa maneira não pesa pra mim fazer pequenas revisões de acordo com o bloco ao qual vou dedicar tempo naquele momento.

Como você se desloca?

Muitos planners podem ser um problema se carregar peso for um problema pra você. Como eu ando de ônibus, evito excesso, mas ainda assim acabo carregando uma bolsa bem pesada (a única que achei que aguenta meu tranco é essa da Imaginarium).

Se você anda de carro principalmente, talvez isso nem seja um problema. Uma coisa que eu fui descobrindo com o tempo foi quais planners eu realmente preciso levar comigo, e quais posso deixar em casa. Meu planner de finanças por exemplo é um trambolho, e só sai de casa em caso de necessidade extrema.

Como é o seu espaço de trabalho?

Ter todos os planners à vista é essencial pra que eu consiga não esquecer de revisar algum deles. Organizei os meus em suportes para livros em cima da minha mesa, então todos ficam à minha vista.

Outro ponto é ter o hábito de dar um bizu no espaço pra ver se não tá esquecendo de dar atenção a algo. Eu tenho mania de “15 minutos para”, e aplico isso ao meu espaço de trabalho. Pode ser pra destralhar, organizar ou simplesmente ver se não tô deixando algo de lado.

Pra terminar, queria indicar um freebie da @papperland com uma reflexão bem bacana pra te ajudar a achar o planner ideal pra você.

Quantos planners você usa? Comenta aqui! :)

Desafios financeiros: Junho

Desafios financeiros: Junho

Eu tenho um grau alto de inabilidade para lidar com dinheiro sobre a qual pouco falo, pois é muito constrangedor pra mim. Me sinto meio derrotada pelo fato de que, na idade que tenho, ter construído tão pouco patrimônio. É uma vulnerabilidade grande pra mim, […]

#52semanascomplanner – Minha experiência com bullet journal (#2)

#52semanascomplanner – Minha experiência com bullet journal (#2)

Neste segundo semestre, depois de sete meses consecutivos utilizando bullet journal, eu resolvi retornar aos planners. Não que eu tenha deixado de usar nesse tempo: como uso mais de um caderno, tenho planners com outros propósitos, por exemplo, para minha loja. Mas o bujo estava […]

#52semanascomplanner – pra quê? (#1)

#52semanascomplanner – pra quê? (#1)

Já tem muito tempo que eu queria cumprir um desafio pessoal, de escrever posts semanais sobre planners, papelaria, organização e todas essas coisas que eu amo, e em vez de deixar pra começar no ano que vem e ser escrava do meu TOC de as semanas das postagens coincidirem com as semanas do ano, deixei pra agora mesmo. Está nascendo o #52semanascomplanner!

Vi não sei aonde que quando a gente fica empurrando as coisas, esperando pelo “momento mais ideal”, acaba por sabotar boas ideias e projetos que poderiam trazer alegria pra gente, e achei que isso se aplicava bem aqui. Então decidi começar no meio do ano mesmo, e nem é tão ruim assim pra minha mania, porque no fim das contas começo na semana 26 (que é exatamente a metade de 52, hehe).

Pra quê?

Então é isso, uma vez por semana eu pretendo publicar um post sobre planners e tudo que isso pode abarcar: organização, scrap, lettering, papelaria e por aí vai. E pra quê eu quis fazer isso? Primeiro porque simplesmente é um assunto que me traz muita alegria. Como costuma dizer o meu marido quando está lavando o carro dele, é uma “faxina mental” pra mim.

Dedicar momentos dos meus dias a decorar, conferir e acompanhar meus planners ou bullet journal me distrai e alivia um bocado meu stress. Não apenas pela estética ou diversão em si, mas porque colocar as coisas no papel é algo que de fato tira muito da nossa ansiedade.

Por mim pessoalmente, posso dizer que desde que me entendo por gente, utilizo agenda. De 2010 pra cá, implementei metodologias de organização pessoal e produtividade que me ajudaram imensamente, tanto no trabalho, quanto em meus projetos. E o papel é meu aliado nisso. Até já tentei manter todo o sistema em aplicativos, mas escrever é mais efetivo pra mim.

Num segundo plano, esse desafio é uma maneira de também compartilhar um pouco do que eu sei e do que pesquiso sobre esses assuntos com quem estiver disposto a ouvir. Volta e meia me perguntam como uso bullet journal ou coisa do tipo, então quero aproveitar a sequência pra responder algumas dessas perguntas.

Por último, é um jeito que encontrei de manter esse bloguinho em tempos em que a produção de conteúdo migrou pra outros formatos: instagram, podcast, vídeo… Eu nunca perdi a fé nos blogs, mas confesso que pra mim sempre foi difícil encontrar motivação ou assunto pra escrever aqui quando quase sempre falo o que quero em outros canais.

Estou animada pra tocar esse projeto, espero permanecer assim! <3 Pra quem também gosta do assunto, escrevo umas pílulas lá no instagram da minha papelaria, o @clubinhodopapel. Me segue!

Seguimos tentando

Seguimos tentando

Eu gosto muito de escrever, e queria poder levar esse hobbie/profissão/paixão/whatever mais a sério, mas eu não sei o que eu tenho que quase sempre empaco na hora do vamo ver. Estou tentando descobrir, tenho dois palpites. O primeiro deles é a obrigatoriedade. Eu travo […]

Como foi meu mês de Fevereiro

2018 tá sendo um ano muito bacana na minha vida até o momento. E eu queria compartilhar um pouquinho do que foi Fevereiro por aqui. Sempre penso em fazer esses posts de resumo do mês, mas acabo desistindo. Penso que pode ser uma forma bacana […]

Janeiro: tudo novo, nada diferente

Janeiro: tudo novo, nada diferente

No final do ano passado me dispus a ajudar alguns amigos e conhecidos com suas resoluções de ano-novo, como parte de alguns estudos pessoais, que espero poder compartilhar mais a respeito em breve. Chegou Janeiro e estou percebendo a galera ansiosa, querendo fazer tudo ao mesmo tempo agora.

Eu sempre fui assim. Tantas vezes passei Dezembro planejando, Janeiro implementando e nem bem tinha chegado Março, e eu já tinha me perdido na minha ansiedade. Acho que essa ânsia de fazer tudo que não fizemos em um ano em um mês é muito natural. E destrutiva.

Nenhum processo de mudança, por mais honesto que seja, é rápido. A mudança vai acontecendo e em muitas vezes, até mesmo depois que a gente já se sente mudado, a gente derrapa, desliza e se perde um pouco.

O clima que fica das festas de ano novo nos incita a implementar novos projetos em nossas vidas, e isso é bom porque não deixa de ser um incentivo. Mas não deve nos dominar. É bom que Janeiro seja o mês de coisas novas, mas é bom também que as mudanças sejam graduais.

Eu percebi que a transição de ano pra mim foi fluida como nunca havia sido antes. Não senti de fato que foi uma grande mudança de ano como eu costumava esperar e até forçar para que fosse. Foi muito mais estar subindo uma rampa suave do que um degrau alto.

Essa constatação foi uma alegria pra mim, porque me senti conectada com um propósito muito profundo, que vem se confirmando nos últimos dois ou três anos. E eu queria muito que meus amigos pudessem experimentar essa sensação.

Apenas não se engane, porque isso não quer dizer de forma alguma que as coisas vão começar a sair perfeitas na sua vida. Eu mesma ainda não terminei meus setups para 2018, terminei o ano com pendências importantes e não consegui cumprir um objetivo primário pra mim em 2017, que era terminar o ano numa situação financeira melhor. Mas me sinto no caminho, mais do que nunca.

Então eu proponho que a gente viva esse 2018 mais como brisa do que como furacão. Defina o seu lema para o ano e se agarra nele. Eu defini que depois de “persistência” em 2017, esse é o meu ano de “fazer e não reclamar”. O trabalho vai ser árduo, a vida vai continuar enrolada e as horas de sono podem diminuir, mas estou indo, no meu tempo, sem titubear. Devagar e sempre. Um dia de cada vez e cada dia melhor.

Imagem: https://everydayloveart.com/product/autumn-breeze/

E se a ansiedade aumentar, compartilho uma tática minha que sempre funciona: coloca tudo que te angustia num papel. Pode ser uma lista, pode ser um mapa mental. Não precisa fazer sentido. Dobra e bota numa caixinha, ou separa um caderno pra ser o seu caderno da angústia. Te garanto que 90% do que for escrito lá, não terá mais importância no dia seguinte. Até mesmo essa angústia de Janeiro despontando aí em você.

Melhores planners: nacional, importado e free

Esse post será o último das prévias do #52semanasdeplanner, depois é pra valer. Frio na barriga! Já estou montando um cronograma, espero que se torne um conteúdo que as pessoas gostem! Bom, eu tinha começado uma lista de planners nacionais, e outra de planners importados, […]